INSTALAÇÃO

AS BACIAS DE OFERENDAS
[ The Offering Bowls ]

Duck Residence Exhibition
Søndersø Lake
Viborg, Denmark
2018

Ao ser convidada para expor dentro d’água pelo projeto Duck Residence, minha intenção foi abordar a questão proposta pelo comitê (‘O QUE SIGNIFICA PERTENCER’) através de um movimento de imersão que é peculiar à minha prática artística – permeada por viagens a locais de natureza e por práticas de acesso a dimensões psicoemocionais.

Neste trabalho refiro-me, portanto, a um estado de presença que pode ser levado aonde quer que se vá e, através do meu repertório simbólico, expresso a sensação de ‘lugar’ como uma aquisição interna: um território ‘conquistado’ por meio de processos de tomada de consciência – e que por isso transcende a natureza física das coisas.

Como artistas, derramamos riqueza cultural, aproximando diferentes realidades através do trabalho. Como habitantes de nossos corpos físicos, ligamo-nos eletromagneticamente aos ambientes que visitamos, trocamos energias e nos reabastecemos – o que influencia nossos processos físicos, mentais e emocionais. Nosso lugar de nascimento é herança das histórias vividas por nossos ancestrais e, com isso, nós o levamos como bagagem aonde quer que pousemos.

No trabalho, apresento formas que emergem do meu subconsciente. Essas formas nascem como desenhos rabiscados ao léu em meus cadernos de anotações. Em projetos recentes, crio versões ampliadas (ou animadas) desses desenhos iniciais e confiro a eles status narrativos, apresentando-os como entidades etéreas que vibram e pairam nos ambientes aos quais sou convidada a intervir.

Tecnicamente a obra final consiste em uma grande impressão fotográfica em alumínio, instalada dentro d´água. A imagem retrata um conjunto de peças que anteriormente foram dispostas dentro do próprio lago. Ao expor uma fotografia do lago sobre o leito deste mesmo lago, crio um efeito visual por meio do qual brinco com a ideia de um espaço de interseção entre dimensões. A instalação ganha algo de metafísico.

No trabalho vê-se um grupo de bacias de cerâmica que servem como recipientes para as placas desenhadas (aqui o elemento terra das bacias serve como receptáculo para o etéreo representado pelos desenhos). Junto às bacias, há uma impressão fotográfica, na qual apareço diante de uma cachoeira. Deste modo, num sentido poético, faço as águas de minha terra natal desaguarem em águas dinamarquesas e deixo os grafismos que codificam minha energia vibrando sobre o lago – antes de voar a novos territórios. Em uma camada mais profunda de significados, o trabalho traz referências a práticas culturais relativas aos povos que compõe minha ancestralidade (indígenas, africanos e ibéricos), em seus modos de fazerem contato com o invisível através da natureza. Num certo sentido, a obra refere-se também às antigas oferendas realizadas em lagos nórdicos.

Instalação: caneta industrial sobre placas de madeira,
vasos de cerâmica e fotografia impressa em placa de alumínio.
[ Installation: industrial pen on wood boards, ceramic vases
and photoprint on aluminium board ]

Outdoor em alumínio impresso digitalmente – 1,5 x 2,0 m
[ Digital print on aluminium billboard – 1,5 x 2,0 m ]