ESCRITA

  • Type POETIC WRITING

(trechos)
excerpts

(…)
De Portugal meu nome ‘Leal’
Veio escrito em letras brancas
Batizando meu barco a velas
Com velas acesas, também brancas

Das raízes arrancadas na África Negra
Emergiu meu tronco marrom
No solo das árvores vermelhas por dentro
(Brasis escorreram por fendas na pele
Tingindo as roupas de vermelho)

As folhas que hoje oferecem sombra à minha cabeça
Foram trançadas em meus cabelos pelas mãos das mães índias daqui
E sobre essas tranças finquei com minhas próprias mãos
Uma pena-olho-antena
Presente verde-azulado
Assoprado pelos ventos
Vindos das Índias Orientais

As riquezas do ouro interior adquirido em outras eras
Converti na pele de um sarcófago novo
E minhas feições desenhei como as do povo do Egito Antigo
Preservando desta vez um coração que bate

Eu vim com mãos que gostam de escrever e desenhar
E às vezes gosto de me referir ao sol como disco solar
E ao despertar, digo: o disco solar nasceu hoje
Quando o disco a voar é uma esfera amarela
De quatro bilhões e meio de anos

From Portugal
my loyal name "Leal”
Has come written in white characters

Baptizing my sailing ship with white lighted candles

From the roots uprooted from Black Africa

My brown tree trunk has emerged

In the ground of the red blood trees: Brazil

(Burning ember drained from ripped skin

Until the clothes got dyed red)

The leafs that today offer shelter to my head

Have been braid together by the hands of the mother indians from here

And with my own hands
I have stuck a feather-eye-antena on the top of this plait

A gift blown to me by the winds of the Oriental Indians

The gold acquired in other times as inner wealths

I have converted into the skin of a new sarcophagus

And I have designed my own features
Resembling those of the ancient Egyptians

Preserving a heart that today is beating inside

I came to life with hands that like to write and draw

That’s why sometimes

When I rise in the morning
I say:

‘The solar disk today has risen into life’

Although the saucer in the sky is a four-billion-and-a-half years old yellow sphere”

(…)

madrugada-água

sobre o asfalto

eu vou onça

(que é um gato grande!)

7 minutos de madrugada por dia

eu vou onça

eu vôo dos pássaros que pinto
de dia

aos gatos com quem brinco

à noite

no quarto…